domingo, 16 de novembro de 2008

O homem, a conquista e o remorso

Hoje eu quero prestar homenagens aos pesquisadores Osamo Shimomura, Martin Chalfie e Roger Tsien. Os três foram premiados, no dia oito de outubro deste ano, com o Nobel da Química. Foram eles que descobriram e desenvolveram as proteínas fluorescentes.
Essas proteínas são hoje uma das mais importantes ferramentas de estudos em vários campos da biologia. Elas brilham sob a luz ultravioleta e permitem enxergar processos jamais vistos, como o desenvolvimento de células nervosas.
Um trabalho brilhante que demorou pelo menos cinqüenta anos para chegar ao atual estágio. É fantástico ver a capacidade do ser humano, mas me espanta também a incapacidade. Que ser humano é esse que faz proteínas brilharem sob a luz, mas que não consegue acabar com atrocidades como as mortes por fome. Que ser humano é esse que cria a bomba atômica, mas não consegue acabar com as filas nos postos de saúde. O homem vai a lua sob um investimento capaz de acabar com o a falta de habitação em todo o mundo. Somos grandes, mas medíocres.
Confesso um desejo. Que as proteínas ultravioletas se expandam para o cérebro e o coração do ser humano. Quem sabe dessa maneira poderíamos entender como alguém tem coragem de desviar um real do dinheiro público enquanto crianças morrem desnutridas, famílias vivem sob lonas em barracos de chão de terra, mães assistem seus filhos morrerem aos poucos por não terem a oportunidade de estudar.
Nós seres humanos somos seres incompreensíveis, orgulhos de nossas conquistas frutos de nossa capacidade. Mas raramente sentimos remorso por não termo a capacidade de amarmos o próximo como a nós mesmos.

2 comentários:

Thaisa disse...

Bom dia Diogo!!!
E o caso belinati, como ficou???
palhaçada isso hein!!!





um bom dia pra vc... e PARABENS por seu programa... ADOROOOO...

bjo

Eddie disse...

"Nenhuma conquista pode ser dita grande, enquanto um unico ser humano agonizar por falta de alimento." Eddie Motherson