sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Quanto custa a lentidão da justiça?

Ontem eu citei o questionamento da dona Ruti de Queiroz Souza, uma telespectadora do Primeira Hora, que tem 78 anos. Ela estava ansiosa para saber por que Antonio Belinati não podia ser prefeito se ele já é deputado. Ainda ontem dona Ruti, recebi um e-mail do Silvio César da Silva, também telespectador do Primeira Hora, respondendo a sua indagação. Acontece que as contas de Belinati referentes ao último mandato dele como prefeito, motivo da impugnação de sua candidatura hoje, foram reprovadas apenas em 2007, portanto, depois das eleições para prefeito em 2004 e para deputado em 2006. Isso deve explicar para a senhora a questão legal, mas me permita, não explica a questão moral, pois mesmo assim a justiça continua lenta, reprovando as contas 7 anos depois dele sair da prefeitura.
Eu chamo atenção dos senhores para o custo desta brincadeira. As irregularidades apontadas nas contas de Belinati chegam a 150 mil reais. Ontem o jornal JL estampava na capa que novas eleições em Londrina custariam 615 mil reais. Isso significa dizer que na melhor das hipóteses os cofres públicos serão arrombados duas vezes. A lentidão da justiça está ficando cara. Com este dinheiro daria para construir mais de 60 casas populares para aqueles que hoje vivem debaixo de uma lona. A lentidão da justiça é igual aos juros de uma dívida com um banco. Altíssimo, mas que temos que pagar.

Um comentário:

Thaisa disse...

pra variar....

o povo paga o pato...

novidade???


bjo Diogo...